Resumo da Ópera #55 – Doctor Who

Autor de obras como “1Q84” e “Kafka à beira mar”, quem passou pela Calçada da Fama foi o escritor japonês Haruki Murakami.

Já o clássico da vez foi a série britânica de ficção científica “Doctor Who”, atualmente protagonizada por Jodie Whittaker.

Ainda explicamos o que é “Peripécia” no campo da literatura e falamos de Lady Gaga e Patti Smith na nossa série sobre cantores que também atuam ou escrevem.

 Não esqueça, o Resumo da Ópera acontece toda sexta-feira, ao vivo, às 15 horas.

Confira aqui descrição completa do episódio

Está começando agora mais uma edição do Resumo da Ópera: esse é o programa de número 53!

Aproveite para participar com a gente. Vale mandar sugestão, comentar nossas notícias e quadros, indicar filmes e séries… Entre em contato com a gente pelo site da rádio, pelo e-mail ouvinte@radiobradescoseguros.com.br ou pelo telefone (11) 996434227.

A gente começa falando grego:

FALANDO GREGO:

Storyboard

Você pode nunca ter ouvido falar em “storyboard” mas com certeza o seu filme ou série favorito utilizou essa ferramenta. Storyboard é, na verdade, uma espécie de guia ilustrado das cenas, em sequência, de uma produção audiovisual (e aí ele pode ser usado em filmes, séries e até em comerciais, por exemplo).

Depois que essas produções ganham um roteiro, é criado esse guia de cenas, que fica parecendo uma história em quadrinhos mesmo, antes de começar a gravação. Na verdade, é justamente esse storyboard que vai guiar a produção dali pra frente, funcionando como uma espécie de prévia do produto final.

O storyboard ajuda no enquadramento das câmeras, no posicionamento dos atores e até no cenário, daí que ele é fundamental pra produção.

NOTÍCIAS:

A notícia de hoje é bastante curiosa: 2020 vai testemunhar a primeira exibição de um filme “perdido” gravado há quase 40 anos. A história é a seguinte: em 1983, o diretor húngaro André Szöts começou a gravar a sequência do filme “Grizzly: a Fera Assassina”, sobre um urso gigante que aterroriza as pessoas em um parque.

Porém, a produção teve vários problemas, entre eles um incêndio que destruiu alguns dos ursos usados nas cenas e a fuga de um produtor-executivo com o dinheiro do filme. Apesar de já ter as principais cenas gravadas, o filme acabou não sendo lançado. Só mais recentemente começaram os planos pra lançar uma versão completa.

E essa versão ficou pronta agora e vai ser exibida em cinemas drive-ins antes de ir para o streaming com o nome de “Grizzly 2: The Predator”. O filme não parece muito convidativo, é verdade, mas ele foi estrelado por grandes nomes do cinema, como George Clooney e Laura Dern. Na época, os dois ainda não eram muito conhecidos do público.

CURIOSIDADES:

QUE TAMBÉM ATUAM OU ESCREVEM – PARTE 2: BOB DYLAN

Na última edição do Resumo da Ópera a gente começou uma série nova aqui no quadro de curiosidades: falar de cantores ou cantoras que também têm ou tiveram carreira na atuação ou na literatura.

Semana passada a gente falou de Beyoncé, que além de sua carreira musical, também já atuou em vários filmes e, mais recentemente, também dirigiu o álbum visual “Black is king”. E hoje a gente fala de Bob Dylan, um dos mais celebrados cantores e compositores de todos os tempos e ainda em atividade.

Além de compor a maior parte das letras de suas músicas, sempre muito elogiadas e cheias de história, Bob Dylan também já publicou alguns livros. Em 1971, o músico publicou “Tarântula”, um livro de poesias com pegada bastante experimental.

Já em 2005 foi lançado “Crônicas – Volume 1”, espécie de autobiografia de Dylan contando seus primeiros anos em Nova York, ainda começando sua carreira. Além desses, existem também algumas coletâneas com as composições musicais de Dylan ao longo dos anos.

Vale lembrar que em 2016 Dylan recebeu o Prêmio Nobel de Literatura. A Academia Sueca, que concede o prêmio, justificou a escolha afirmando que Dylan criou “novos modos de expressão poética no quadro da tradição da música americana”.

MARQUE NA AGENDA:

No streaming, destaque para “A Babá: Rainha da Morte”, sequência da comédia de terror “A Babá”, de 2017. Nessa sequência, dois anos depois de Cole ter sobrevivido ao bizarro culto de sua ex-babá, ninguém acredita na história do garoto. Mas as coisas pioram quando seus velhos inimigos ressurgem em uma festa.

Outra opção pra quem gosta de terror é “Halloween”, de 2018. O filme se passa 40 anos depois do original, com Laurie tendo que enfrentar mais uma vez o assassino Michael Myers. Pra fechar, outro destaque no streaming é a estreia da série de comédia “A duquesa”, sobre uma mãe antenada vivendo uma vida caótica em Londres.

Na literatura a novidade é uma versão ampliada do clássico “Homem invisível”, de Ralph Ellison. O livro conta a história e as experiências de um jovem negro que sai do sul dos Estados Unidos e passa a morar no Harlem, em Nova York, ainda nos primeiros anos do século 20.

CALÇADA DA FAMA:

MARIA VALÉRIA REZENDE

Quem passa pela Calçada da Fama hoje é a escritora brasileira Maria Valéria Rezende.

E a história de Valéria Rezende é bastante curiosa. Nascida em Santos, no litoral de São Paulo, em 1942, se formou em Língua e Literatura Francesa, também em Pedagogia e ainda se tornou mestre em Sociologia mais tarde.

Nos anos 1960, sua carreira é na educação popular, mais especificamente na formação de educadores. Aí em 1965 ela se junta à Congregação de Nossa Senhora Cônegas de Santo Agostinho e, ainda focada na Educação Popular, passa a viajar pelo Brasil e pelo mundo em seu trabalho. Apesar dessas viagens todas, é na Paraíba que ela passa a viver boa parte dos seus dias, recebendo inclusive o título de cidadã paraibana.

E foi somente aos quase 60 anos que Maria Valéria Rezende começou a publicar seus escritos. Neles, Maria Valéria costuma trazer sempre personagens à margem da sociedade, mostrando as injustiças sociais.

Sua estreia na literatura foi em 2001, com “Vasto Mundo”. Mais tarde, em 2005, publicou “O voo da guará vermelha”. Também já ganhou três vezes o Prêmio Jabuti, duas na Categoria Infantil, por “No risco do caracol” e “Ouro dentro da cabeça” e uma pelo Melhor Romance pelo livro “Quarenta Dias”, em 2015.

Sua obra, além do infantil e do romance, também passa pelo conto, pela crônica e pela tradução. Seu livro mais recente é “Carta à Rainha Louca”, de 2019.

SESSÃO TRILHA SONORA:

Benzinho – Gustavo Pizzi (2018)

Lançado em 2018, o filme brasileiro “Benzinho” acompanha uma mãe que vive um momento difícil de sua vida: seu filho mais velho está indo para Alemanha ser jogador de Handebol por lá. Além da despedida, ela ainda tem de lidar com os problemas de sua irmã, as instabilidades do marido e com seus outros filhos.

Dirigido por Gustavo Pizzi, o filme tem Karine Teles, Otávio Müller e Adriana Esteves no elenco. E na trilha sonora, Karina Buhr com “Esôfago”.

CLÁSSICO É CLÁSSICO:

Cachalote – Rafael Coutinho e Daniel Galera (2010)

O clássico de hoje é a graphic novel “Cachalote”. A obra é uma parceira do escritor Daniel Galera com o ilustrador Rafael Coutinho. Com quase 300 páginas, “Cachalote” traz seis tramas bem diferentes que vão sendo contadas de forma entrelaçada, mas sem se misturar.

Uma das histórias, por exemplo, traz um ator chinês que vem divulgar um filme aqui pelo Brasil mas acaba acusado de matar seu parceiro de cena; em outra uma senhora encontra uma baleia cachalote dentro da piscina de sua casa; e por aí vai. A graphic novel é uma das mais celebradas da produção nacional recente, tendo sido traduzida para o francês em 2012.

INDICA AÍ:

As indicações da semana foram as seguintes:

Equipe da Rádio Bradesco Seguros:

  • David Jill: Filme – O Dilema das Redes
  • Magno Nunes: Série – Lucifer
  • Davi Pereira: Livro – Vasto Mundo, de Maria Valéria Rezende

A gente vai ficando por aqui, pessoal. Mas antes de ir nessa eu volto a lembrar: participe do nosso programa, mandando suas sugestões, dicas, comentários… e participando dos nossos quadros. Quer saber a história de algum ator, escritora ou diretor? Manda a sugestão pra gente. Você também pode indicar livros, filmes e séries pro nosso quadro “Indica Aí”. Também dá pra indicar filmes com trilhas sonoras legais, tirar sua dúvida sobre um termo que você não faz ideia do que signifique (ou faz e queira compartilhar o conhecimento com os ouvintes), e muito mais.

A gente volta sexta-feira que vem. Até lá