Um lugar legal para se trabalhar:  entenda a relação entre a certificação Great Place to Work e a agenda ESG/ASG

Sinônimo de boas práticas ambientais, sociais e de governança, a sigla do momento ajuda a reconhecer empresas como excelentes para os funcionários

Muito mais do que uma febre do mundo dos negócios, o ESG ou, em português, ASG – a sigla que define temas envolvendo critérios ambientais (A), sociais (S) e de governança corporativa (G) – cria não só um laço com clientes e investidores, mas desperta em toda a sociedade um senso de responsabilidade. Ao assumir essas responsabilidades como parte da cultura da empresa, colaboradores sentem mais pertencimento e se tornam engajados, fazendo com que a companhia seja reconhecida como boa para se trabalhar.

Isso porque a letra “S” da sigla do momento – referente ao ambiente empresarial, medido por cuidados físicos, emocionais, além de diversidade e inclusão – é um dos principais temas observados por instituições que avaliam o conceito ASG das empresas. Ainda que não se tenha um medidor ou selo oficiais, o mercado reconhece as mudanças e algumas certificações existentes como um sinal de métricas alinhadas aos critérios de sustentabilidade.

Por aqui, uma das principais certificações é feita pelo Great Place to Work  (GPTW), consultoria global que apoia organizações a obter resultados por meio de uma cultura de confiança, alto desempenho e inovação.

Anualmente, são ouvidos mais de dois milhões de funcionários. Por meio desta pesquisa e da análise de práticas é que se chega ao ranking das Melhores Empresas para Trabalhar no Brasil. A certificação é fruto de um grande trabalho em equipe para criar um local comprometido com as pessoas.

Fora do Brasil, se destaca a lista da Fortune, revista sobre negócios com mais de 90 anos de existência. A última relação “100 Best Companies to Work For” evidencia que as empresas que tratam bem os funcionários, principalmente em momentos desafiadores, atraem mais talentos.

Origem da sigla ASG

 

Pode até parecer mais uma moda corporativa, mas os assuntos relacionados à ESG/ ASG são discutidos por executivos, empresários, especialistas e organizações não  governamentais há mais de 20 anos.

Foi só em 2004, no entanto, que a sigla apareceu oficialmente pela primeira vez. Kofi Annan, então secretário-geral da ONU,  incluiu no relatório “Who Cares Wins” (“Quem se importa, vence”, em português), um documento que incentiva instituições a adotarem princípios mais sustentáveis em seus negócios. O tema ganhou mais notoriedade ao ser abordado no evento Agenda 2030 da ONU, que estabeleceu os 17 objetivos de desenvolvimento sustentável (ODS) e com o  Acordo de Paris, que estabeleceu em 2015 o compromisso mundial para combater as alterações climáticas.

Como se tornar uma ótima empresa para se trabalhar

 

Ser uma empresa reconhecida como um ótimo local para se trabalhar gera valor para o negócio e se torna o “lugar dos sonhos” para muitos profissionais – sobretudo millenials e da Geração Z, que valorizam se há um propósito expresso e praticado pelas organizações ao decidir fazer parte de seus quadros. Também retém talentos e tem vantagens competitivas, com profissionais mais satisfeitos na rotina da organização.

Em tempos de pandemia, o zelo para com a integridade física e a saúde emocional dos funcionários ganhou destaque no cenário corporativo por conta aumento de casos de ansiedade, depressão e Síndrome de Burnout entre profissionais. Um lugar legal para se trabalhar oferece recursos para minimizar os impactos do stress na vida das pessoas. E nunca ouvimos tanto sobre empatia, uma das habilidades mais valorizadas no ambiente do trabalho em tempos de Covid-19.

A Bradesco Seguros é um dos nomes que integram o ranking Great Place to Work Brasil, ocupando em 2021 o quarto lugar entre as empresas de Barueri e região – uma posição acima em relação ao ranking de 2020. Neste ano, a seguradora também figura no ranking das Melhores Empresas para se Trabalhar entre as companhias de grande porte do Rio de Janeiro.

Zelar pela segurança física e psicológica é o primeiro passo para que as organizações possam manter todos engajados e motivados”, Valdirene Secato, Diretora de Recursos Humanos, Ouvidoria e Sustentabilidade da Bradesco Seguros, dá dicas para empresas que desejam se tornar certificadas pelo GPTW dentro dos pilares ASG (Foto: Divulgação)

Já deu para perceber que o bem-estar físico e emocional dos funcionários deve ser o mais importante para uma companhia que deseja ser reconhecida como um ótimo local onde se trabalhar. Promover um ambiente de trabalho saudável e estimulante, então, é essencial. Valdirene Secato, Diretora de Recursos Humanos, Ouvidoria e Sustentabilidade da Bradesco Seguros, listou, abaixo, algumas dicas para empresas que desejam se tornar certificadas pelo GPTW, dentro dos pilares ASG:

Escuta ativa

Fundamental para estabelecer ligações concretas. Ouvir é um ótimo recurso para quem quer criar um ambiente de troca, interação e colaboração. Pessoas que são ouvidas também ouvem com atenção seus interlocutores. Por isso, dedicar atenção para escutar com interesse genuíno cada integrante de sua equipe é vital. Além de ser uma habilidade de comunicação, também é um gesto de generosidade – você se coloca à disposição, demonstrando interesse para entender o lado do outro.

Para aprimorar a escuta ativa, recomendo técnicas de mindfulness, prática de meditação e relaxamento. São recursos que nos ajudam a manter o equilíbrio, a melhorar a comunicação com as pessoas ao redor e as nossas relações interpessoais. Disponibilizar cursos, palestras e treinamentos sobre o tema aos funcionários e lideranças também é recomendável.

Empatia

Zelar pela segurança física e psicológica é o primeiro passo para que as organizações possam manter todos engajados e motivados. Pessoas são sempre a prioridade! Por trás do profissional, existe um ser humano – que pode estar enfrentando um momento mais sensível e que merece toda a nossa atenção. Mais do que nunca, o bem-estar dos funcionários deve ser o foco. A sensibilidade para compreender as emoções de outros: seja por um olhar, pelo tom de voz, por uma atitude ou até mesmo por um ponto de vista diferente, se faz extremamente necessária – e, muitas vezes, é o que faz a diferença no dia dessa pessoa.

Estabeleça conexões

Os colaboradores precisam sentir que fazem parte da empresa – e o acolhimento é fundamental; o que é muito mais fácil a partir de uma gestão próxima e ativa. O contato frequente, transparente e mais humano é indispensável em todos os momentos, sendo ainda mais importante no cenário que estamos vivendo. Ainda que virtualmente, realizar videochamadas, conversas e interações mais informais são bons caminhos para que o gestor possa se aproximar de suas equipes. Tudo deve ser feito de uma forma equilibrada e assertiva, com atenção para o volume de reuniões. Inclusive, estimular a cooperação e o trabalho em equipe também são ótimas formas de manter as equipes conectadas.

Incentivo ao aprendizado

A capacitação é o melhor caminho para o desenvolvimento das pessoas, sobretudo em tempos de transformações aceleradas e em um mundo cada vez mais digital. Um dos pontos mais importantes para fortalecer a cultura do aprendizado contínuo é termos a consciência de que sempre há algo novo a aprender. As fontes e processos de aprendizagem também se modificaram ao longo do tempo, portanto é importante reconhecer os caminhos formais de aprendizagem e os informais – assim é possível aprender e desenvolver habilidades até mesmo no dia a dia, nas interações cotidianas, nas pesquisas e leituras realizadas, ampliando nosso repertório cultural, ensinando algo a alguém – há muitas formas de buscar o conhecimento. Lives e palestras mais dinâmicas e intuitivas, são ótimos métodos de passar conhecimento, envolvendo naturalmente as pessoas no assunto.

Pratique o feedback

O feedback é outra prática importante para potencializar o aprendizado, o autoconhecimento e o aperfeiçoamento de potenciais e conquista de objetivos dos colaboradores.

Um feedback claro, cuidadoso e assertivo é importante para ajustar a rota, apoiar o desenvolvimento e fortalecer o relacionamento interpessoal. O mais importante é que a intenção real do feedback seja a valorização do profissional – e isso acontece por meio de um diálogo positivo.

Capacitação de lideranças

A atuação dos gestores é imprescindível para a continuidade das atividades nas organizações. Um bom líder pode colaborar para promover uma cultura de cuidado, bem-estar, apoio e consequentemente, de desenvolvimento e engajamento dentro de uma companhia. Uma liderança preparada é fundamental para promover um ambiente que ofereça segurança, confiança, autonomia, flexibilidade e uma gestão participativa, capaz de engajar toda a equipe.

[lbg_audio5_html5_shoutcast settings_id=’1′]